05/12/2007 – GINÁSTICA LABORAL E LER/DORT

A IMPORTÂNCIA DA GINÁSTICA LABORAL NA
PREVENÇÃO DA LER/DORT

Atualmente, num país como o nosso, infelizmente as questões relacionadas com a adequação ergonômica dos ambientes de trabalho ainda estão longe de ser realidade. Apenas algumas empresas e instituições estão preocupadas em oferecer a seus colaboradores condições ideais, não se preocupando com o investimento inicial, mas apenas com o que elas poderão representar de economia para a empresa.

A ginástica laboral, que visa a promoção da saúde e melhora das condições de trabalho, além da preparação bio/psico/social dos participantes, contribui direta ou indiretamente para a melhoria do relacionamento interpessoal, sem falar na redução dos acidentes de trabalho, e na redução de lesões por esforços repetitivos e conseqüentemente proporcionando aumento da produtividade com qualidade.

Então, uma alternativa mais econômica, bastante eficiente e menos traumática será a de implantar Programas de Ginástica Laboral com o intuito de melhorar a qualidade de vida dos funcionários da empresa.

A três tipos de ginástica utilizada pelas empresas:

a) ginástica (compensatória), praticada antes do expediente de trabalho – tem como objetivo proporcionar aquecimento para o trabalhador;

b) ginástica de (pausa), praticado no meio do expediente de trabalho – tem como objetivo aliviar as tensões e fortalecer os músculos do trabalhador;

c) ginástica de relaxamento ou (compensatória), praticada após o expediente do trabalho – tem como objetivo proporcionar relaxamento muscular e mental aos trabalhadores.

O tempo da ginástica varia de 8 a 12 minutos por dia, 5 a 6 vezes por semana a cada setor

Há dois anos estamos desenvolvendo o programa de ginástica LABORAL na empresa Fujiwara EPI de Apucarana – PR. Verificamos um aumento significativo na produção de seus calçados de até 10%, bem como, menor índice de afastamento por LER/DORT, acidentes de trabalho e melhor relacionamento interpessoal dos funcionários.

É de extrema importância a pessoa responsável pela ginástica na empresa desenvolva outras atividades como: torneios de modalidades esportivas, recreação, palestras sobre saúde ocupacional. Para que possa manter os participantes sempre motivados, porque com o passar dos dias a ginástica se torna repetitiva e diminui a freqüência dos participantes. Sem contar que se não houver colaboração dos gerentes, técnico de segurança do trabalho, médico do trabalho e recursos humanos será quase impossível desenvolver o programa de ginástica na empresa.

Contamos também com uma fisioterapeuta para resolver casos mais graves de L.E.R, e junto com o professor de educação física cuidam das questões ergonômicas de cada setor de trabalho. A cada três meses são feitos testes de motivação, estresse e questões relacionado ao ambiente de trabalho.

Em certas empresas, setores de escritório e outros, muitas vezes colocam o indivíduo em inatividade motora, causando grandes problemas para os funcionários.

Exemplo disso são trabalhadores com problema de coluna, pressão arterial e etc. Algumas empresas renomadas já constataram resultados positivos que estão dando certo na prevenção de acidentes de trabalho, promoção da saúde e lazer para os trabalhadores, proporcionando um melhor rendimento na produtividade.

Será de grande importância que a maioria das empresas adotem o programa para melhoria da qualidade de vida (Ginástica Laboral) aos funcionários por um profissional. Com certeza, não só teremos melhor produtividade, mas também melhor relacionamento recíproco nas atividades diárias.

Autor: João Ricardo Gabriel de Oliveira
Prof. de Educação Física e Especialista em Avaliação e Prescrição de Exercícios Físicos.
Instrutor de Ginástica Laboral da Fujiwara E.P.I Apucarana Pr.

Endereço: Rua Rio Negro, 75 – Vila Regina.
Apucarana – Pr – CEP. 86801-370

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *