Coronavírus e hidroxicloroquina: Professor Raoult publica um novo estudo
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Coronavírus e hidroxicloroquina: Professor Raoult publica um novo estudo

Coronavírus e hidroxicloroquina: Professor Raoult publica um novo estudo, imediatamente criticado

A principal crítica do estudo é que ele não inclui um grupo de controle. Portanto, é impossível determinar se é o tratamento que está causando seus resultados.

O professor Didier Raoult postou um novo estudo sobre hidroxicloroquina no site do Instituto Universitário Universitário (IHU) Méditerranée Infection de Marseille, na sexta-feira, 27 de março. Segundo ele, confirma a “eficácia” desse tratamento contra a SARS-CoV-2. Uma declaração imediatamente contestada por muitos cientistas.

“Confirmamos a eficácia da hidroxicloroquina em combinação com a azitromicina (um antibiótico) no tratamento do Covid-19”, escreveu Didier Raoult e sua equipe. Mas muitos especialistas argumentaram no sábado que era impossível tirar essa conclusão apenas com base neste estudo, que não foi publicado nesta fase em uma revista científica, devido à forma como é elaborado.

França desenvolve trabalhos há anos!

Claude Le Pen, especialista em economia da saúde, descreve a cadeia de decisões que levaram ao fim de um sistema eficaz implantado após a gripe aviária.

Um grande ensaio europeu
O professor Raoult está no centro de um debate global sobre o uso de cloroquina e hidroxicloroquina no combate ao coronavírus. Certos médicos, certos países e autoridades eleitas pedem uma ampla administração de hidroxicloroquina, descrita como “doação celestial” pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Porém, grande parte da comunidade científica e das organizações de saúde está exigindo uma validação científica rigorosa, alertando para os possíveis riscos.

Coronavirus : huit questions sur l’hydroxychloroquine, possible traitement du Covid-19

Coronavírus: oito perguntas sobre hidroxicloroquina, possível tratamento do Covid-19

Ce dérivé de la chloroquine, une molécule antipaludéenne, est au cœur des débats depuis qu’un infectiologue, Didier Raoult, a affirmé qu’elle est efficace contre le coronavirus.

Par  et  Publié le 24 mars 2020 à 19h54 – Mis à jour le 25 mars 2020 à 19h07

Este derivado da cloroquina, uma molécula antimalárica, está no centro dos debates desde que um infectiologista, Didier Raoult, afirmou que é eficaz contra o coronavírus.

Por Hervé Morin, William Audureau, Adrien Sénécat e Assma Maad Publicado em 24 de março de 2020 às 19:54 – Atualizado em 25 de março de 2020 às 19:07

“Cura milagrosa” ou “miragem”? O debate sobre o uso da hidroxicloroquina, um derivado de uma molécula usada contra a malária, a cloroquina, no tratamento de pacientes com Covid-19 causou muita confusão nos últimos dias. Como um artigo amplamente divulgado nas redes sociais referente a um paciente curado com hidroxicloroquina em Amiens, mas que, descobrimos depois, nunca havia testado positivo para Covid-19.

A droga se divide. Por um lado, parte da opinião pública é apaixonada pelo especialista em doenças infecciosas Didier Raoult, um dos promotores desse tratamento na França. Por outro lado, observadores, incluindo muitos cientistas, denunciam métodos relaxados e consideram os anúncios de Raoult prematuros, até enganosos.

O que é cloroquina? E a hidroxicloroquina?

A cloroquina é uma molécula com a qual são projetados tratamentos preventivos e curativos contra a malária, como a nivaquina, comercializada pelo laboratório Sanofi. Usada por setenta anos, a cloroquina não é mais prescrita sistematicamente sozinha, porque é considerada ineficaz em certas regiões do mundo. É o caso da Guiana, que não o utiliza desde 1995, devido à resistência dos parasitas à cloroquina. Este medicamento com uso terapêutico limitado é cada vez menos produzido. Um de seus derivados, a hidroxicloroquina (comercializada sob o nome de Plaquenil), é usado contra certas doenças auto-imunes, como artrite reumatóide ou lúpus.

Estes são dois medicamentos separados, mas a molécula é semelhante. O segundo parece ser preferido em ensaios com pacientes, pois pode criar menos efeitos colaterais graves. A confusão é agravada pelo fato de a mídia às vezes usar o termo “cloroquina” para se referir ao seu derivado hidroxicloroquina.

Quelles sont les conclusions des recherches de Didier Raoult sur la chloroquine et l’hydroxychloroquine ? Quais são as conclusões da pesquisa de Didier Raoult sobre cloroquina e hidroxicloroquina?

Se ele não é o único, ou mesmo o primeiro a considerar o caminho da cloroquina ou hidroxicloroquina como tratamento no contexto da atual pandemia, o professor Didier Raoult teve um papel decisivo sua cobertura da mídia. Esse especialista em doenças infecciosas tropicais emergentes da Faculdade de Medicina de Marselha recebeu em 25 de fevereiro a provável eficácia da cloroquina no SARS-CoV-2. A tal ponto que ele via isso como um “jogo final” para o coronavírus. O especialista em doenças infecciosas disse que prescreveu a molécula mais de 4.000 vezes em trinta anos para o tratamento de doenças infecciosas e disse que defendeu seu uso como antiviral por treze anos.

O professor Raoult então se baseou nos resultados de uma análise chinesa publicada em 19 de fevereiro sobre os efeitos da cloroquina no Covid-19, que obteve resultados positivos in vitro (ou seja, nesta fase, essas não são observações realizadas em pacientes, mas testes laboratoriais de laboratório). Este artigo foi retirado de uma coletiva de imprensa do governo chinês em 17 de fevereiro, durante a qual as autoridades anunciaram que havia sido alcançado um consenso para incluir a cloroquina no arsenal terapêutico nacional contra a epidemia de Covid-19.

Em um artigo que ele assinou em 16 de março, o professor Raoult disse que a cloroquina poderia ser uma solução terapêutica contra o Covid-19:

“É difícil encontrar um produto atual cuja segurança seja tão comprovada quanto a cloroquina. Além disso, seu custo é insignificante. (…) Se os dados clínicos confirmarem os resultados biológicos, a doença ligada ao novo coronavírus será em breve uma das mais simples e baratas de tratar e prevenir, entre todas as doenças respiratórias infecciosas. “

Para confirmar sua intuição, o professor Raoult lançou um estudo clínico em março, desta vez com 24 pacientes muito reais infectados com SARS-CoV-2, cujos resultados preliminares ele mencionou em um vídeo postado em 16 de março. Após seis dias de tratamento com Plaquenil (um medicamento à base de hidroxicloroquina) e antibiótico, o vírus desapareceu em três quartos dos pacientes, segundo Didier Raoult.

Leia abaixo a reportagem completa

Atualizações importantes:

Ensaio clínico de Gautret, Raoult, et al. (2020)

Correspondência do Dr. Vladimir Zelenko no tratamento bem-sucedido de pacientes com COVID-19 com hidroxicloroquina e azitromicina

Essas drogas estão ajudando nossos pacientes com coronavírus (cobertura do Wall Street Journal do Dr. Jeff Colyer e Daniel Hinthorn sobre HCQ e AZ no tratamento de novos coronavírus)

Carta ao Presidente Donald J. Trump da Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos

Coronavírus: o fim da crise? pela Seção de Direito 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *