O QUE É A CARTA DE AALBORG
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

O QUE É A CARTA DE AALBORG

Em 1994, na cidade dinamarquesa de Aalborg realizou uma Conferência Europeia para discutir a sustentabilidade de cidades e vilas.
Nessa conferência, foi lançada a Campanha Europeia das Cidades e Vilas Sustentáveis (CECVS), onde foi aprovada o documento base da campanha, denominado de “Carta de Aalborg”. 

Essa Campanha procura incentivar a reflexão sobre a sustentabilidade do ambiente urbano, o intercâmbio de experiências, a difusão das melhores práticas ao nível local e o desenvolvimento de recomendações que visem influenciar as políticas ao nível da União Europeia e ao nível local.

A Carta de Ålborg representa um compromisso político para com os objectivos do desenvolvimento sustentável, podendo destacar-se os seguintes:

– participação da comunidade local e obtenção de consensos

– economia urbana (conservação do capital natural)

– equidade social

– correcto ordenamento do território

– mobilidade urbana

– clima mundial

– conservação da natureza

Carta de Aalborg 

The City of Aalborg
The Aalborg Commitments secretariat
Att: Mrs. Marianne Hyttel
Stigsborg Brygge 5
DK-9400 Nørresundby
Direct line: +45 99 31 22 18
Fax: +45 99 31 22 05
E-mail: mhy-teknik@aalborg.dk

linkhttp://www.aalborgplus10.dk/

Em Outubro de 1996, realizou-se uma segunda Conferência Europeia, em Lisboa, tendo sido lançadas as bases para passar à prática esta Campanha Europeia ao ser aprovado o documento “Plano de Acção de Lisboa: da Carta à Acção”.

Mais recentemente, foi aprovada a Declaração de Hanôver (2000), em que se reforça a importância das autoridades locais na promoção do desenvolvimento sustentável.
Quando da aprovação dessa declaração, já 650 autoridades locais e regionais de 32 países de toda a Europa se tinham comprometido com a sustentabilidade a nível local e com a Campanha ao assinarem a Carta de Aalborg.

A população abrangida por todos os participantes da Campanha representavam mais de 130 milhões de cidadãos europeus.

Pensar global e agir local!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *