ANEXO III DA NR32 – ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO PPRA-MAPE

O Anexo III da NR32 vem moralizar a realização do PPRA – MAPE

Essa é a realidade pois com o Anexo III – o PPRA agora tem que ser elaborado e implementado de forma correta e sem “modelos prontos” – PPRA – MAPE.

Com o anexo, o empregador deve elaborar e implementar Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com  Materiais Perfurocortantes, sendo que as empresas que produzem ou comercializam materiais perfurocortantes devem disponibilizar, para os trabalhadores dos serviços  de saúde, capacitação sobre a correta utilização do dispositivo de segurança.

 

Ainda, o empregador deve assegurar, aos trabalhadores dos serviços de saúde, a capacitação para esses profissionais

 

O prazo para essa adequação é de cento e vinte dias, sendo que esse prazo espirou em em dezembro de 2011

 

Segue abaixo o Anexo III da NR32

 

ANEXO III

 

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES C OM MATERIAIS

 

PERFUROCORTANTES – PPRA-MAPE

 

1.Objetivo e Campo de Aplicação:

 

1.1 Estabelecer diretrizes para a elaboração e implementação de um plano de prevenção de riscos de acidentes com materiais perfurocortantes com probabilidade de exposição a agentes biológicos, visando a proteção, segurança e saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral.

 

1.2 Entende-se por serviço de saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, e todas as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde em qualquer nível de complexidade.

 

1.3 Materiais perfurocortantes são aqueles utilizados na assistência à saúde que têm ponta ou gume, ou

 

que possam perfurar ou cortar.

 

1.4 O dispositivo de segurança é um item integrado  a um conjunto do qual faça parte o elemento perfurocortante ou uma tecnologia capaz de reduzir o risco de acidente, seja qual for o mecanismo de ativação do mesmo.

 

2.Comissão gestora multidisciplinar:

 

2.1 O empregador deve constituir uma comissão gestora multidisciplinar, que tem como objetivo reduzir os riscos de acidentes com materiais perfurocortantes, com probabilidade de exposição a agentes biológicos, por meio da elaboração, implementação e atualização de plano de prevenção de riscos de acidentes com materiais perfurocortantes.

 

2.2 A comissão deve ser constituída, sempre que aplicável, pelos seguintes membros:

 

a) o empregador, seu representante legal ou representante da direção do serviço de saúde;

 

b) representante do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT, conforme a Norma Regulamentadora n.º 4;

 

c) vice-presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA ou o designado responsável pelo cumprimento dos objetivos da Norma Regulamentadora n.º 5, nos casos em que não é obrigatória a constituição de CIPA;

 

d) representante da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar;

 

e) direção de enfermagem;

 

f) direção clínica;

 

g) responsável pela elaboração e implementação do PGRSS – Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde;

 

h) representante da Central de Material e Esterilização;

 

i) representante do setor de compras; e

 

j) representante do setor de padronização de material.

 

3.Análise dos acidentes de trabalho ocorridos e das situações de risco com materiais perfurocortantes:

 

3.1 A Comissão Gestora deve analisar as informações existentes no PPRA e no PCMSO, além das referentes aos acidentes do trabalho ocorridos com materiais perfurocortantes.

 

3.2 A Comissão Gestora não deve se restringir às informações previamente existentes no serviço de saúde, devendo proceder às suas próprias análises dos acidentes do trabalho ocorridos e situações de risco com materiais perfurocortantes.

 

3.3 A Comissão Gestora deve elaborar e implantar procedimentos de registro e investigação de acidentes e situações de risco envolvendo materiais perfurocortantes.

 

4.Estabelecimento de prioridades:

 

4.1 A partir da análise das situações de risco e dos acidentes de trabalho ocorridos com materiais perfurocortantes, a Comissão Gestora deve estabelecer as prioridades, considerando obrigatoriamente os seguintes aspectos:

 

a) situações de risco e acidentes com materiais perfurocortantes que possuem maior probabilidade de transmissão de agentes biológicos veiculados pelo sangue;

 

b) frequência de ocorrência de acidentes em procedimentos com utilização de um material perfurocortante específico;

 

c) procedimentos de limpeza, descontaminação ou descarte que contribuem para uma elevada ocorrência de acidentes; e

 

d) número de trabalhadores expostos às situações de risco de acidentes com materiais perfurocortantes.

 

5.Medidas de controle para a prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes:

 

5.1 A adoção das medidas de controle deve obedecer à seguinte hierarquia:

 

a) substituir o uso de agulhas e outros perfurocortantes quando for tecnicamente possível;

 

b) adotar controles de engenharia no ambiente (por exemplo, coletores de descarte); c) adotar o uso de material perfurocortante com dispositivo de segurança, quando existente, disponível e tecnicamente possível; e

 

d) mudanças na organização e nas práticas de trabalho.

 

 

 

6.Seleção dos materiais perfurocortantes com dispositivo de segurança:

 

 

 

6.1 Esta seleção deve ser conduzida pela Comissão Gestora Multidisciplinar, atendendo as seguintes etapas:

 

a) definição dos materiais perfurocortantes prioritários para substituição a partir da análise das situações

 

de risco e dos acidentes de trabalho ocorridos;

 

b) definição de critérios para a seleção dos materiais perfurocortantes com dispositivo de segurança e obtenção de produtos para a avaliação;

 

c) planejamento dos testes para substituição em áreas selecionadas no serviço de saúde, decorrente da análise das situações de risco e dos acidentes de trabalho ocorridos; e

 

d) análise do desempenho da substituição do produto a partir das perspectivas da saúde do trabalhador, dos cuidados ao paciente e da efetividade, para posterior decisão de qual material adotar.

 

7.Capacitação dos trabalhadores:

 

7.1 Na implementação do plano, os trabalhadores devem ser capacitados antes da adoção de qualquer medida de controle e de forma continuada para a prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes.

 

7.2 A capacitação deve ser comprovada por meio de documentos que informem a data, o horário, a carga horária, o conteúdo ministrado, o nome e a formação ou capacitação profissional do instrutor e dos trabalhadores envolvidos.

 

8.Cronograma de implementação:

 

8.1 O plano deve conter um cronograma para a sua implementação.

 

8.2 O cronograma deve contemplar as etapas dos itens 3 a 7 acima descritos e respectivos prazos para a sua implantação.

 

8.3 Este cronograma e a comprovação da implantação  devem estar disponíveis para a Fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego e para os trabalhadores ou seus representantes.

 

9.Monitoramento do plano:

 

9.1 O plano deve contemplar monitoração sistemática da exposição dos trabalhadores a agentes biológicos na utilização de materiais perfurocortantes, utilizando a análise das situações de risco e acidentes do trabalho ocorridos antes e após a sua  implementação, como indicadores de acompanhamento.

 

10.   Avaliação da eficácia do plano:

 

10.1 O plano deve ser avaliado a cada ano, no mínimo, e sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho e quando a análise das situações de risco e dos acidentes assim o determinar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.