/
/
BRASIL SUSTENTÁVEL – ÍNDICE FARMASUSTENTÁVEL, O PRIMEIRO DO SETOR FARMACÊUTICO
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

BRASIL SUSTENTÁVEL – ÍNDICE FARMASUSTENTÁVEL, O PRIMEIRO DO SETOR FARMACÊUTICO

Treze empresas já usam o Índice Farmasustentável, o primeiro do setor farmacêutico:

O que é o índice Farmasustentável:

Elaborado a partir de reuniões com empresas farmacêuticas – num
trabalho de planejamento que levou dois anos até seu lançamento, em 2008 –, o Índice FarmaSustentável é um indicador de sustentabilidade setorial coordenado pelo Grupo dos Executivos da Indústria Farmacêutica (Grupemef).

A entidade é responsável pelo prêmio Lupa de Ouro, um dos mais importantes da área farmacêutica, que gerou a criação do primeiro índice de sustentabilidade aplicável ao setor. “Criamos no prêmio, em 2004, a categoria de Sustentabilidade. Mas, logo no ano seguinte, entendemos que premiar ações pontuais não bastava para promover a reflexão do ponto de vista da gestão”, diz Marcelo Weber, diretor do FarmaSustentável no Grupemef.
Segundo Weber, a primeira preocupação do foi tornar o novo indicador fácil de compreender para os profissionais de negócios. “Se o ponto principal é a gestão de impactos e de relações gerados e produzidos a partir da área de negócios, o primeiro objetivo é traduzir as questões de sustentabilidade para esse público”, explica.

Para Celia Wada, consultora de sustentabilidade no setor, as questões que mais merecem a atenção, no Brasil, são a obtenção de matéria-prima, o tratamento dispensado aos funcionários de laboratórios e a preocupação com o bem-estar do cliente diante das reações adversas dos medicamentos – a chamada farmacovigilância. “Normalmente, os medicamentos têm impactos positivos, mas, às vezes, com pesquisas, é possível alterar o radical de algum medicamento e reduzir efeitos prejudiciais ao paciente.” A adequação do pós-consumo aos princípios de sustentabilidade é outra obrigação da empresa. “O fabricante é responsável por orientar o consumidor sobre o descarte do produto que
disponibiliza no mercado”

Leia a repostagem completa nas páginas 40 e 41
http://www.cebds.org.br/cebds/pub-docs/pub-bs-28-2010.pdf

Recomendamos a leitura completa da revista dada a qualidade dos assuntos permeados.
informaçãoes: 
conrado@reportcomunicacao.com.br

Coordenação CMQV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!