/
/
Fundacentro publica cartilha de proteção respiratória
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Fundacentro publica cartilha de proteção respiratória

Mais uma vez trazemos uma explicação sobre protetores respiratórios e a importância da elaboração de protocolos para identificação rápida, isolamento e tratamento de pessoas portadoras de patologias infecciosas, e às medidas de controle de engenharia, como o controle da qualidade de ar dos ambientes contaminados.

A Fundacentro publicou cartilha bastante simples e prática onde qualquer pessoa terá a oportunidade de entender sobre o assunto.

Resumo:

A pandemia causada pela Covid-19 coloca os profissionais da área de saúde frente a um novo e perigoso agente agressivo, o que torna mais importante o uso correto de equipamentos de proteção respiratória. O principal objetivo desta cartilha é difundir informações para esses trabalhadores e para a população de forma geral, de modo a esclarecer algumas boas práticas de proteção respiratória aplicáveis contra agentes biológicos. São apresentadas diferenças entre máscaras cirúrgicas e peças faciais filtrantes para partículas (PFF), orientações de colocação e retirada em situações de exposição ao Sars-CoV-2 e requisitos mínimos para um programa de proteção respiratória.

Apresentação da cartilha no site da Fundacentro

A utilização de equipamentos de proteção respiratória (EPRs) por profissionais que atuam em serviços de saúde é uma importante estratégia para a prevenção de doenças que têm como principal via de transmissão a aérea, como, por exemplo, a tuberculose. Essa medida, entretanto, não deve ser considerada prioritária em relação às medidas de controle de ordem administrativa, tais como a elaboração de protocolos para identificação rápida, isolamento e tratamento de pessoas portadoras de patologias infecciosas, e às medidas de controle de engenharia, como o controle da qualidade de ar dos ambientes contaminados. No Brasil, não existe regulamentação específica quanto ao uso de proteção respiratória contra agentes biológicos por trabalhadores de saúde, embora a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tenha publicado, em 2009, a “Cartilha de Proteção Respiratória contra Agentes Biológicos para Trabalhadores da Saúde” (BRASIL, 2009). Proteção respiratória

Transmissão de agentes biológicos por via aérea

A exposição a agentes biológicos dispersos por via aérea pode ocorrer: quando o doente ou portador fala, tosse ou espirra; ao se entrar em ambiente contaminado; ou quando o trabalhador de saúde realiza procedimentos em pacientes com doenças ou condições clínicas que gerem gotículas ou aerossóis que contenham patógenos.

A transmissão por via aérea dos agentes biológicos pode se dar por dois mecanismos diferentes: gotículas ou aerossóis (CDC, 1994).

As gotículas têm tamanho maior do que 5 μm* e se depositam a uma distância relativamente curta da fonte que as gerou.

A proteção respiratória recomendada para doenças com transmissão por gotículas (como, por exemplo, a caxumba, a coqueluche, a rubéola e a difteria faríngea) é a máscara cirúrgica, que deve ser usada pelo trabalhador de saúde sempre que sua proximidade com o paciente for menor ou igual a um metro.

Para definição de rotina, recomenda-se o uso de máscara cirúrgica sempre que o trabalhador de saúde entrar em contato com o paciente.

faça o download da cartilha

FUNDACENTRO – COVID19 – CARTILHA_DE_PROTECAO_RESPIRATORIA –

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!