/
/
CONACCOVEST – CADEIRA ERGONÔMICA PARA COSTUREIRAS
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

CONACCOVEST – CADEIRA ERGONÔMICA PARA COSTUREIRAS

Ergonomia para Costureiras: Mais um passo em prol da Qualidade de Vida.

 

Para alguns poderia parecer apenas uma simples cadeira, porém para os profissionais da costura, essa foi uma grande evolução em prol do bem estar físico e psicológico.

A partir do dia 27 de junho de 2012 as Cadeiras Ergonômicas têm papel obrigatório na vida das costureiras. Isso graças a uma cláusula inserida na Convenção Coletiva de Trabalho onde as empresas terão de fornecer cadeiras ergonômicas de acordo com o laudo solicitado pela CONACCOVEST (Confederação Nacional dos Trabalhadores dos setores Têxtil, Vestuário, Couro e Calçados) e elaborado pela FUNDACENTRO/SP através do ergonomista Ricardo da Costa Serrano.

Os principais problemas físicos decorrentes do trabalho das costureiras foram evidenciados como: dores na coluna, pernas, pés e mal estar geral causado pelas dores. As partes do corpo afetadas pelo trabalho são coluna, pescoço, pernas, pés, braços, olhos e, evidentemente, o emocional.

O presidente da Fundacentro, Eduardo de Azeredo Costa comenta sobre a nova lei: “Os resultados já obtidos com a ergonomia para costureiras com o uso dessa cadeira mostram claramente a importância da inovação para o campo da Segurança e Saúde no Trabalho”.

As sete mil empresas terão prazo de um ano para cumprir o acordo, a contar da data de assinatura.

CONACCOVEST: Na quarta-feira dia 27 de junho o Sindicato das Costureiras de São Paulo e Osasco celebrou um acordo que o fez entrar para história. Trata-se de uma cláusula a ser inserida na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria onde as empresas terão de fornecer à seus funcionários (as); cadeiras ergonômicas de acordo com o laudo solicitado pela CONACCOVEST (Confederação Nacional dos Trabalhadores dos setores Têxtil, Vestuário, Couro e Calçados) e elaborado pela FUNDACENTRO/SP através do ergonomista da casa Ricardo da Costa Serrano.

Esta conquista é resultado de mais de dois anos de lutas e muitas reuniões até se chegar a um consenso.

O sindicato tem priorizado em suas convenções pleitos que são importantes para seus representados e a cadeira ergonômica era um destes, pois esta comprovado que um posto de trabalho ergonomicamente correto contribui para o não adoecimento do trabalhador (a).

Sempre ciente e informado dos benefícios que pode trazer aos trabalhadores (as) o Sindicato das Costureiras de São Paulo e Osasco montou uma comissão para tratar dos temas Saúde, Segurança no trabalho e Meio ambiente que tem como membros Milene Rodrigues, Elias Ferreira, José Antonio S. Rodrigues e Ricardo da Costa Serrano. Esta equipe tratou de pesquisar e elaborar laudo ergonômico conforme determina os itens 17.1.2 e 17.3.3 da NR-17 e item 12.97 da NR-12 o que fez desta reivindicação um pedido seguro e bem amparado nas normas legais.

Com esta nova cláusula na Convenção, os trabalhadores já têm uma importante arma para combater os Distúrbios Osteomuscular (síndrome clinica que afeta o sistema músculo-esquelético em geral, caracterizada pela ocorrência de vários sintomas, tais como dor crônica, parestesia, fadiga muscular, manifestando-se principalmente no pescoço, cintura escapular e/ou membros superiores. Estes sintomas aparecem em decorrência das relações e da organização do trabalho, onde as atividades são realizadas com movimentos repetitivos, postura inadequadas, trabalho muscular estático e outras condições inadequadas).

Com este marco, o Sindicato das Costureiras de São Paulo e Osasco passa a ser o primeiro sindicato do Brasil do setor da confecção a ter inserido em sua Convenção Coletiva de Trabalho clausula obrigacional que trata do cuidado da saúde dos trabalhadores do setor na questão de ergonômica.

De acordo a negociadora do setor patronal Drª Maria Tereza El cheik Pugliese, o acordo abrange a obrigação a 7000 empresas de São Paulo em fornecer a cadeira ergonômica que atende o laudo da FUNDACENTRO/SP a seus empregados (as).

“Não importa o tamanho da empresa e nem a nacionalidade de seus funcionários o sindicato lutou e conquistou o beneficio para todos os 80.000 trabalhadores por ele representados. Foi uma luta árdua que valeu a pena”. Ressalta Elias Ferreira presidente em exercício do Sindicato das Costureiras de São Paulo e Osasco.”Tenho muito orgulho e agradecimento em ter participado e contribuído para esta negociação deste importante sindicato, agora não estamos mais sozinhos em nossas lutas em beneficio da saúde e segurança do trabalhador (a)”.

“O Sindicato dos Sapateiros de Birigui é o primeiro do setor de calçados no Brasil a celebrar clausula em convenção que cuida da ergonomia e o Sindicato das Costureiras de São Paulo e Osasco é o primeiro do Brasil do setor da confecção. É assim com coragem, trabalhando em conjunto e unidos pelo ideal de cuidar bem de nossos representados que tornamos o mundo do trabalho mais humano”, Reforça Milene Rodrigues (membro da equipe CONACCOVEST & FUNDACENTRO e presidente do Sindicato dos Sapateiros de Birigui).

 

SAIBA MAIS: http://www.conaccovest.org.br/NoticiasZoom.asp?RecId=393&RowId=89010000

 

A ASE = Mundoergonomia parabeniza a iniciativa do Sindicato, da CONACCOVEST e da FUNDACENTRO e pretende desenvolver trabalhos específicos em prol dessa adequação tão necessária.

 

Osny Telles Orselli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *