Probióticos – o que eles podem fazer pela sua saúde
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Probióticos – o que eles podem fazer pela sua saúde

Lizandra C. Calvo de Souza – NUTRICIONISTA

Olá caro leitor, hoje vou falar sobre o importante papel que os probióticos exercem na nossa saúde. Você sabe o que são probióticos? Para que servem? Se não sabe ou se quer entender como esses micro-organismos atuam dentro de nós, leia o artigo até o fim e esclareça tais dúvidas.

O termo probiótico, que significa “para a vida”, é derivado da língua grega. Foi usado pela primeira vez por Lilly e Stillwell em 1965 para descrever “substâncias secretadas por um micro-organismo que estimula o crescimento de outro”.

            Aqui no Brasil a definição para probióticos de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é que “são micro-organismos vivos capazes de melhorar o equilíbrio microbiano intestinal produzindo efeitos benéficos”. Ou seja, são bactérias que quando ingeridas chegam ao intestino humano vivas e colonizam (povoam) esse local proporcionando muitos benefícios. Os efeitos na saúde atribuídos ao uso de probióticos são numerosos. Os seguintes resultados estão bem documentados: 1) menor frequência e duração de diarreia associada a antibióticos, infecção por rotavírus, quimioterapia e, em menor extensão, diarreia do viajante; 2) estimulação da imunidade humoral e celular; e 3) diminuição de metabólitos desfavoráveis, por exemplo, amônio e enzimas procancerogênicas no cólon. Há alguma evidência de efeitos na saúde através do uso de probióticos para o seguinte:

  • Redução da infecção por Helicobacter pylori;
  • Redução de sintomas alérgicos;
  • Alívio da constipação;
  • Alívio da síndrome do intestino irritável;
  • Efeitos benéficos no metabolismo mineral, particularmente densidade e estabilidade óssea;
  • Prevenção de câncer; e
  • Redução das concentrações plasmáticas de colesterol e triacilgliceróis.

Para se ter uma boa saúde e uma imunidade fortalecida é necessário fazer uso de probióticos frequentemente, para isso procure um nutricionista, pois, ele é o profissional adequado para te orientar e prescrever as melhores cepas (colônias) de acordo com a sua necessidade. Para que você compreenda um pouco mais sobre esses “bichinhos” do bem, segue abaixo os nomes e para que serve cada um deles:

Lactobacillus acidophilus

  • Tratamento na diarreia dos viajantes;
  • Redução do tempo de internação em crianças com diarreia aguda;
  • Atividade antifúngica;
  • Prevenção ou tratamento de vaginose bacteriana;
  • Tratamento de diarreia associada a Clostridium difficile;
  • Redução da incidência de febre nas infecções do trato urinário em crianças;
  • Redução dos sintomas da Síndrome do intestino irritável;

 Lactobacillus casei

  • Tratamento da constipação intestinal em adultos;
  • Tratamento de diarreia associada a C. difficile;
  • Restauração da flora vaginal de pacientes com vaginoses bacteriana;
  • Redução da duração da diarreia associado a antibiótico em pacientes idosos;
  • Redução dos sintomas da Síndrome do intestino irritável;
  • Mecanismos imunomoduladores;
  • Melhora do estado de artrite reumatoide;
  • Proteção contra infecção por Salmonella;

Lactobacillus rhamnosus

  • Redução do dano pulmonar associado a vírus;
  • Prevenção e redução da severidade da dermatite atópica em crianças;
  • Redução do risco de desenvolver doenças alérgicas;
  • Potencial anti-diabetes;
  • Tratamento de gastroenterites agudas em crianças;
  • Auxilia na perda de peso de mulheres obesas;
  • Redução do risco de infecção de rinovírus em crianças pré-termas.

Lactobacillus delbrueckii

  • Aumento do sistema imune em idosos;
  • Ação antibacteriana contra E. coli;
  • Modulação da atividade cerebral;

Lactobacillus reuteri

  • Redução do LDL colesterol;
  • Tratamento de gastroenterite aguda em crianças;
  • Redução da duração da diarreia em crianças;
  • Gerenciamento da cólica em bebês;
  • Redução dos primeiros sintomas de desordens gastrointestinais em crianças;
  • Redução da frequência de sepsis;
  • Redução da intolerância alimentar;
  • Redução da duração da internação em prematuros;

Lactobacillus plantarum

  • Prevenção da produção de endotoxinas;
  • Atividade antifúngica;
  • Redução dos sintomas da Doença inflamatória intestinal.

Lactobacillus gasseri

  • Estímulo do sistema imune;
  • Inibição de algumas espécies patogênicas;
  • Inibição da obesidade;

Lactobacillus johnsonii

  • Impacto da imunidade adaptativa para proteção de injúrias respiratórias;
  • Redução da ocorrência da gastrite e risco de infecção pelo H. pylori;
  • Inibição da atividade da Shigella sonnei;
  • Auxilia no tratamento da rinite alérgica em crianças;

Lactobacillus fermentum

  • Prevenção ou tratamento de vaginose bacteriana
  • Bloqueio da aderência de micro-organismos no epitélio vaginal;
  • Potencial de redução da resistência à insulina e hipercolesterolemia;

Bifidobacterium bifidum

  • Redução do tempo de internação em crianças com diarreia aguda;
  • Redução da enterocolite necrosante em lactentes pré-termo;
  • Redução do colesterol total;

Bifidobacterium longum

  • Prevenção e tratamento da enterocolite necrosante em recém-nascidos;
  • Redução de enterocolite necrosante com utilização de várias bifidobctérias;
  • Redução da diarreia induzida por radiação;
  • Redução dos sintomas da Síndrome do intestino irritável;
  • Tratamento de doenças gastrointestinais
  • Intervenção perinatal contra o início da sensibilização alérgica;

Bifidobacterium infantis

  • Redução dos sintomas da Síndrome do intestino irritável;
  • Redução da enterocolite necrosante em lactentes pré-termo;

Bifidobacterium breve

  • Prevenção e tratamento da enterocolite necrosante em recém-nascidos;
  • Redução do colesterol total;

Bifidobacterium animalis

  • Tratamento da constipação intestinal em adultos animalis;
  • Redução da incidência de infecções trato urinário em crianças;
  • Modulação da atividade cerebral;
  • Redução do colesterol total;
  • Redução do risco de doença respiratória superior;

Saccharomyces bourlardi

  • Tratamento da diarreia dos viajantes;
  • Tratamento e redução da duração da diarreia independentemente da causa;
  • Tratamento da Síndrome do intestino irritável;
  • Tratamento de colite ulcerativa moderada;
  • Tratamento e redução da infecção recorrente por colite pseudomembranosa causada por C. difficile;
  • Tratamento de gastroenterite aguda em crianças.

Lactococcus lactis

  • Tratamento da diarreia associada a antibióticoterapia;
  • Modulação da atividade cerebral;
  • Atividade antimicrobiana contra C. difficile;
  • Propriedades antimicrobianas;

Streptococcus thermophilus

  • Redução dos sintomas da síndrome do intestino irritável;
  • Redução da enterocolite necrosante em crianças pré-termas.

Mas para que os probióticos continuem vivos no intestino é necessário ter uma alimentação saudável e equilibrada, pois, as fibras contidas nas frutas, verduras e legumes servem de alimentos para os probióticos.

Espero ter contribuído para esclarecer suas dúvidas. Um grande abraço e até a próxima.

Referências

Bottazzi V. Food and feed production with microorganisms. Biotechnology  1983;5:315–63.

Carre C. Ueber Antagonisten unter den Bacterien. (Antagonists among bacteria.) Correspondenz-Blatt fuer Schweizer Aerzte  1887;17:385–92 (in German).

Tissier H. Taxonomy and ecology of bifidobacteria. Bifidobacteria Microflora  1984;3:11–28.

Kopeloff N. Lactobacillus acidophilus.  Baltimore: Williams & Wilkins, 1926.

Lilly DM, Stillwell RH. Probiotics. Growth promoting factors produced by micro-organisms. Science  1965;147:747–8.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *